Já faz tempo coloquei um trecho do texto A Alegoria da Caverna nas redes sociais:

“Se um desses homens fosse solto, forçado subitamente a levantar-se, a virar a cabeça, a andar, a olhar para o lado da luz, todos esses movimentos o fariam sofrer; ele ficaria ofuscado e não poderia distinguir os objetos, dos quais via apenas as sombras anteriormente.”

Um amigo filósofo e amante da psicanálise perguntou: Platão? Eu disse que sim e contei que me sentia saindo da caverna. Percebia que até então eu estava relativamente tranquila, lidando com a sombra dos objetos e das pessoas, inclusive com sombras de mim mesma. Fantasias! Mas que naquele momento eu me sentia ofuscada por essa luz que não me deixava ver nitidamente ali fora. Ainda não sabia o que me parecia mais concreto: as sombras que eu estava abandonando ou a realidade ainda invisível diante de mim.

Aí disse para ele que não deveria caminhar muito, porque minha psicóloga estava de férias. E ele disse: depois que começamos, não tem como parar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s