Eu, paciente de um divã lacaniano. No momento mais difícil da análise, comecei a escrever. Minha matéria prima era a angústia. Sonhei e escrevi demais na busca do meu desejo. Foi escrevendo, que encontrei a própria escrita – como meu desejo, como um sonho e um fim em si mesmo.